top of page

O desafio do acesso à energia no Pacífico [parte dois]

2 de junho de 2022

Por Paul Makumbe , Diretor Regional da Camco para o Pacífico

Kia ora e bem-vindo à segunda e última parte da minha minissérie explorando o desafio do acesso à energia no Pacífico. No meu último post, defendi a implementação urgente de mini-redes de energia renovável como parte integrante do acesso universal à energia nas Ilhas do Pacífico e para ajudar a construir a resiliência das ilhas aos impactos das mudanças climáticas.

Para que isso aconteça, é necessária uma gama de soluções inovadoras que abrangem toda a cadeia de valor e todos os principais stakeholders, que agora explorarei com mais detalhes.

 

Mudanças regulatórias

O atual ambiente regulatório em todo o Pacífico foi amplamente desenvolvido para atender às redes nacionais existentes operadas por empresas estatais. Para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 7 da ONU (garantir o acesso a energia acessível, confiável, sustentável e moderna para todos) e incentivar a participação do setor privado, o ambiente regulatório precisa evoluir para garantir um ambiente operacional ideal tanto para as concessionárias existentes quanto para o novo setor privado desenvolvedores, garantindo ao mesmo tempo que o objetivo de acesso equitativo à energia para todos seja alcançado.   

Modelos de negócios

A implantação bem-sucedida de mini-redes nas ilhas do Pacífico apresenta uma oportunidade para desenvolvedores e reguladores explorarem modelos de negócios adequados que levem em consideração os desafios de acesso à energia predominantes e diferenciados na região. Fatores como acessibilidade, capacidade e capacidade de pagamento criam restrições únicas que podem ser resolvidas por meio do uso inovador de capital de doadores para criar mecanismos de apoio, como programas de financiamento baseados em resultados que ajudam a preencher a lacuna de viabilidade.

 

Soluções técnicas

O princípio básico para a operação da rede é fornecer eletricidade ao consumidor com o menor custo, atendendo aos níveis de serviço pré-definidos. Para garantir que isso seja alcançado em mini-redes em todo o Pacífico, a implantação da geração de energia renovável precisa ser associada a sistemas de armazenamento para formar a base da geração necessária. Isso combinado com a medição inteligente que permite pagamentos pós e pré-pagos, bem como operação off-line e on-line (todos os quais podem ser integrados às cargas do consumidor) representam um terreno fértil para empresas inovadoras de tecnologia limpa trazerem ao mercado soluções que tornam uma diferença.

 

Envolvimento do setor privado

Incentivar a participação do setor privado na solução do desafio de acesso à energia do Pacífico é fundamental para garantir soluções sustentáveis que tragam benefícios a todas as partes interessadas. Mas convencer o setor a apoiar o desenvolvimento, construção e operação de mini-redes requer (1) um projeto economicamente viável (conseguido através do uso de suporte a lacunas de viabilidade) e (2) a estrutura regulatória certa para incentivar a implantação de tecnologia inovadora por meio de modelos de negócios específicos da ilha que recompensam adequadamente todas as partes interessadas.

 

A realidade no Pacífico é que atualmente há um envolvimento mínimo do setor privado na abordagem do acesso à energia, em grande parte impulsionado pela percepção de que os investimentos nas ilhas do Pacífico apresentam um risco maior. Soluções como o mecanismo de financiamento combinado TIDES da Camco, apoiado pelo uso inovador de subsídios catalíticos do DFIS para preencher a lacuna de viabilidade, o financiamento pode desempenhar um papel fundamental na redução do risco dos investimentos do setor privado no fornecimento de acesso equitativo à energia.


Leia o primeiro post desta série aqui .

Voltar para artigos >

bottom of page